Somos a secção portuguesa da ASI

A Alternativa Socialista Internacional (ASI) é uma organização internacional de trabalhadores e jovens revolucionários presente em mais de 30 países em todos os continentes. Lutamos para acabar com o capitalismo e o imperialismo e contra todas as crises, guerras e formas de opressão que este sistema doentio produz. Contacta a nossa secção portuguesa para discutir estas ideias e a construção a nível internacional de uma sociedade onde a economia é planificada democraticamente, o socialismo!

Ler mais

México: Claudia presidente! Um novo triunfo para o povo trabalhador

A vitória esmagadora de Claudia Sheinbaum com 59% dos votos, contra 29% de Xóchitl Gálvez, ratifica o espírito de mudança expresso nas urnas desde 2018. A derrota da direita, por 2 a 1, é, sem dúvida, um novo avanço dos trabalhadores e dos oprimidos contra a miséria e a fome. No entanto, a queda da Bolsa de Valores do México um dia após a eleição em quase 6 pontos, a maior desde o início da pandemia de Covid 19, é uma mensagem clara dos mercados e investidores e mostra as novas dificuldades para consolidar os desejos da maioria.
Read more

50 Anos da Revolução: parte 5 – Lições

Para levar a classe trabalhadora ao poder, um partido revolucionário tem a aprender com a Revolução portuguesa, entre outras coisas, a importância de defender as liberdades democráticas, avançar a luta socialista pelo controlo social da produção e organizar o poder proletário para a tomada de poder político.
Read more

Contra o capitalismo, o seu governo e a sua UE. Por uma Europa dos trabalhadores e um mundo socialista

A oposição à UE é possível por uma força internacionalmente coordenada da classe trabalhadora, organizada nas ruas, bairros, fábricas, escolas e locais de trabalho, focada nas preocupações concretas da população trabalhadora e englobando as lutas feministas, antirracistas, queer, antiguerra e ambientalistas, que reconheça que fazer frente às crises económica, social e ambiental exige romper com as regras da UE e com o sistema capitalista e que proponha uma planificação democrática à escala europeia, uma Europa de estados socialistas, parte de um mundo socialista.
Read more

Por Fim ao Fóssil e Fim ao Genocídio! Só a força da classe trabalhadora organizada pode travar a barbárie e transformar a sociedade

– Texto preparado para os panfletos para a manifestação "Nós fazemos o futuro" de 1 de Junho e para a marcha "Unidas contra o colapso" de 8 de Junho, ambas em Lisboa – O reforço do movimento exige a expansão da luta aos locais de trabalho. Nos últimos meses, trabalhadores de transportes e médicos em Espanha, Bélgica, Itália e muitas outras regiões lideraram greves e recusaram-se a enviar remessas militares para Israel. Também em Portugal precisamos de construir um movimento dos trabalhadores que apoie as ocupações e se junte à luta contra o massacre.
Read more

50 Anos da Revolução: parte 4 – Crise revolucionária

Privada das ferramentas habituais (controlo do Estado e das forças armadas e sabotagem económica) para travar a revolução, a burguesia foi salva pela política dos dirigentes dos partidos de massas de trabalhadores: PS e PCP. Isso tornou-se evidente na crise revolucionária que se desenrolou durante o resto de 1975, em particular no chamado Verão Quente de 1975. Nesse período o poder foi mais contestado que nunca, com o Estado cada vez mais dividido e incapaz de agir com determinação. Os trabalhadores também estavam divididos quanto à tomada do poder político, sem uma direção que os levasse a concluir sobre essa necessidade.
Read more

50 Anos da Revolução: parte 3 – Avanços da revolução

A classe trabalhadora continuou a avançar na conquista do poder económico. Em Dezembro de 1974, no Alentejo e no Ribatejo, regiões onde dominava o grande latifúndio, os proprietários começaram a fechar os campos aos trabalhadores, para impedir a sementeira e trazer a fome, de forma a sabotar a revolução. Em resposta, o proletariado rural ocupou as terras para controlo dos empregos, dos salários e da produção agrícola, pondo em marcha a Reforma Agrária, ou seja, o início da concretização da reivindicação “A terra a quem a trabalha”, e aumentando a produção.
Read more

Invasão de Rafah: Intensificar os protestos internacionais para impedir o banho de sangue em Gaza

– Artigo publicado originalmente em árabe a hebraico a 7 de Maio de 2024 pela Luta Socialista (secção da ASI em Israel-Palestina) e traduzido pela Liberdade Socialismo e Revolução (secção da ASI no Brasil) – O “Gabinete de Guerra” israelita decidiu por unanimidade iniciar a primeira fase da catastrófica invasão de Rafah, onde atualmente se encontra a maioria da população ...
Read more

50 Anos da Revolução: parte 2 – Começa a dualidade de poder

Logo no dia 26 de Abril de 1974, os moradores dos bairros de lata nas cinturas industriais de Lisboa, Setúbal e Porto começaram a organizar ocupações de casas vazias, um processo que se prolongou e se intensificou. A classe trabalhadora exigia o direito a habitação digna e tomou a iniciativa de resolver o problema pelas próprias mãos. Para organizar a luta pela habitação foram criadas comissões de moradores, os primeiros órgãos de poder proletário, que faziam assembleias regulares para discutir e decidir sobre a vida coletiva.
Read more

Tirem as mãos de Rafah! Cessar-fogo já!

Ocupações de escolas em todo o mundo, com mais de 30 nos EUA e em vários outros países indicam o poder das massas para impedir o massacre. Nos últimos meses, trabalhadores de transportes e médicos em Espanha, Bélgica, Itália e muitas outras regiões lideraram greves e recusaram-se a enviar remessas militares para Israel. Também em Portugal precisamos de construir um movimento dos trabalhadores que apoie as ocupações e se junte à luta contra o massacre.
Read more